Depois dos primeiros impactos do coronavírus, que obrigou muitas empresas a modificarem severamente suas rotinas e planejamentos, a Cooperativa Vinícola Garibaldi está voltando ao que julga ser uma nova normalidade. Em live divulgada no portal de Zero Hora, o presidente da cooperativa, Oscar Ló, disse que as perdas já começaram a diminuir. “Em março, houve redução de 30%, as pessoas deram preferência aos alimentos e a itens de higiene, mas em abril esse número foi de 20%, ou seja, alcançamos 80% da meta. Já percebemos o mercado mais otimista”, comentou. A entrevista virtual foi ao ar no da 18 de maio.

Para se adequar ao momento, a cooperativa afastou os colaboradores considerados grupos de risco e dividiu o restante da turma em dois turnos – um que atua pela manhã e outro, à tarde –, além de observar o protocolo de segurança disponibilizando álcool gel e EPI’s e maior higienização dos ambientes. Tudo isso aconteceu logo após a colheita de uma das melhores safras da história da vitivinicultura gaúcha e de dois meses que foram promissores. “Janeiro e fevereiro foram meses bons e depois tivemos que fechar praticamente tudo. O susto foi grande, mas agora estamos um pouco mais acostumados com isso”. Em meio à pandemia, a cooperativa também viu seu tradicional carro-chefe, o espumante, dar lugar ao vinho na preferência dos consumidores. Ló explicou o porquê. “Muitos eventos foram cancelados, então o espumante sentiu mais os efeitos. Com as pessoas em casa tendo mais tempo para preparar almoço e jantar, o vinho se destaca mais”, disse.

Neste período, a venda de produtos online também cresceu. Embora seja difícil precisar o quanto esse tipo de comercialização aumentou, já que a cooperativa não tem acesso aos números de vendas no e-commerce dos supermercados, grandes clientes da cooperativa, Ló disse que isso será uma tendência. “Isso vai se acelerar e se manter”, previu.

Quer saber mais
sobre vinhos?
Cadastre-se para receber conteúdo exclusivo

Deixe o seu comentário sobre a postagem:

Nome Completo:
E-mail:
Cidade / UF:
Comentário: